Os aparelhos já são invisíveis e removíveis

Hoje em dia, mais do que nunca, preocupamo-nos com a nossa aparência, com a forma em como saimos de casa todos os dias e como nos apresentamos perante familiares, amigos, colegas e até desconhecidos. E se neste momento está a ler estas linhas e a pensar algo como “Não, eu não sou assim”, pense melhor. Porque é que se veste todos os dias? Porque se sair à rua sem roupa as pessoas vão gozar consigo. Porque é que não veste uma saia de vez em quando? Porque na sociedade em que vivemos um homem de saia não é aceitável. Porque é que todos temos pelo menos um espelho em casa? Porque temos a necessidade de olhar para nós próprios através da perspectiva dos outros. Por uma série de razões, agimos de determinada forma e temos rotinas no nosso dia a dia, devido ao que os outros pensam – mais vezes do que pensamos – e não porque escolhemos realmente fazê-lo. No meu consultório, recebo muitos pacientes que deixaram de sorrir há muito tempo porque não gostam do seu sorriso, ou sorriem sem mostrar os dentes porque não gostam deles ou não os têm. Se perguntar a cada um destes pacientes se tem vergonha de dar uma grande gargalhada sozinho em casa, é possível que a maioria responda que não. E a justificação é simples: ninguém está lá para ver. Este receio dos julgamentos alheios faz parte da nossa natureza, e esta é a principal razão para nos preocuparmos diariamente com a nossa aparência até ao mínimo pormenor.


Felizmente, ao longo dos anos, surgiram mais e mais opções para satisfazer as necessidades ligadas ao nosso aspeto, não só adequadas às mulheres – frequentemente associadas a esta preocupação – mas também aos homens, que cada vez mais admitem esta preocupação com o seu visual, desde o estilo da roupa que usam, à mudança de penteado, tratamento das unhas e pele e, claro, na minha área de intervenção, a estética dentária. O sorriso é um verdadeiro cartão de visita e, para muitos, um sorriso descuidado pode anular tudo o resto, por mais perfeito que seja. Dentes tortos, dentes escurecidos ou amarelados, dentes muito compridos ou curtos, sorriso gengival, mau hálito, ausência de dentes…são apenas alguns exemplos de fatores que comprometem um sorriso e que levam tantos pacientes a procurar a ajuda de um dentista. Eu e a minha equipa, recebemos muitos casos destes e, mesmo quando alguns destes casos têm consequências para além da estética, é somente a estética que leva cada paciente a resolver o problema. Dou-vos um exemplo: dentes na posição errada significam uma mordida incorreta o que pode levar a dificuldades na respiração, na mastigação ou até na fala, no entanto, mesmo quando os pacientes têm consciência destes factos, é a ideia de um sorriso mais bonito que os faz dar o derradeiro passo de iniciar um tratamento.

Então qual é o procedimento? Na minha clínica, e em traços gerais, começamos por conversamos com o paciente para perceber quais as suas motivações, expectativas e receios, e analisamos o caso do ponto de vista clínico de modo a definir o plano mais adequado. Imaginemos o paciente Z: sabe que tem os dentes desalinhados, ligeiramente sobrepostos e desconfia que a única forma de alinhar o sorriso é com um aparelho dentário; no entanto, a ideia de usar um aparelho metálico durante um ano ou mais é ainda mais assustadora do que manter o sorriso que tem. Temos boas notícias para este paciente Z! O desalinhamento dos dentes é, de facto, um problema que pode e deve ser resolvido, não só pela estética mas também, por exemplo, para uma higiene oral facilitada – dentes sobrepostos são mais difíceis de escovar e de higienizar com fio dentário. Atualmente, o tradicional aparelho metálico não é a única solução, portanto o maior receio do paciente Z poderia ser contornado através do chamado Invisalign. É um aparelho transparente e removível, feito totalmente à medida dos dentes de cada paciente e adequado a todos os níveis de complexidade. A sua transparência confere-lhe uma vantagem incomparável, para pacientes de todas as idades, pois é possível que as outras pessoas nem reparem que o está a usar, podendo sorrir e falar sem medos; o facto de ser removível torna a sua utilização bastante confortável, permitindo que faça todas as refeições e os momentos de higiene oral sem o aparelho, não dificultando em momento algum as rotinas diárias. O software que acompanha o Invisalign, e que é utilizado nas consultas, é outra vantagem para o paciente; a sua precisão permite mostrar ao paciente qual será o movimento dos dentes durante o tratamento, bem como uma simulação do resultado que vai ser alcançado. Prevê ainda quantas vezes terá o paciente de se deslocar à clínica para as consultas de controlo ao longo dos meses, sendo portanto muito mais cómodo e eficiente.

A crescente oferta de soluções para melhorarmos ou mudarmos a nossa aparência é prova do nosso crescente interesse na estética e, como referi acima, na forma como nos apresentamos aos outros. A medicina dentária está recheada de bons exemplos que, não só enriquecem o dia a dia dos médicos dentistas – como é o caso do Invisalign, um exemplo da evolução tecnológica na saúde e uma das nossas primeiras escolhas no consultório – como também respondem de forma mais eficiente às necessidades dos pacientes, tendo sempre em vista o seu bem-estar.

Por dr. Hugo Madeira
https://clinicaimplantologiaavancada.com

 

ARTIGOS RELACIONADOS


OUTROS CONTEÚDOS GMG


Send this to friend